Clássico-rei no STJD

Presidente do Fortaleza, Jorge Mota, viajou ontem para o Rio de Janeiro<br /><br />

Um Clássico-Rei polêmico, longe dos gramados e das torcidas. Hoje, a partir das 10h, no Rio de Janeiro, o Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (SJTD) julga o mandado de garantia do Fortaleza para entrar como terceiro interessado no processo que determina o Ceará como pentacampeão estadual entre 1915 e 1919.

Em dezembro de 2008, o Tribunal de Justiça Desportiva de Futebol (TJDF-CE) reconheceu a sequência de títulos do Alvinegro – uma semana depois, a Federação Cearense de Futebol (FCF) homologou as conquistas.

O Tricolor questiona a decisão da corte justamente pela inexistência da Federação à época – a competição era organizada pela Liga Metropolitana Cearense de Futebol.

No julgamento do Pleno do TJDF, o Leão também tentou ingressar como parte interessada no processo, mas não teve êxito – o clube perdeu o prazo de três dias para entrar com pedido de recurso voluntário, de acordo com o presidente do Tribunal da época, Ernando Uchoa Lima Sobrinho, responsável pelo indeferimento. Em 2009, recorreu ao STJD, que pediu um tempo para avaliar os autos do caso e só agora o colocou em pauta para julgamento.

O Tricolor tem dois objetivos com o mandado de garantia: entrar como parte interessada para apresentar os recursos contra a decisão do TJDF e levar o processo à Justiça Comum. Caso consiga participar do julgamento, o Fortaleza alegará que um tribunal desportivo não é capaz de declarar um campeão estadual.

No Rio, o Vovô estará representado pelos advogados Haroldo Martins e Clarke Leitão e pelo diretor jurídico Guilherme Magalhães. O Fortaleza, por sua vez, será defendido pelo advogado Paulo Rubens e também terá a presença do presidente Jorge Mota, que viajou ontem.

“O Ceará pleiteou cinco campeonatos, a gente entende que são indevidos, e será decidido pelo STJD”, disse o mandatário tricolor, em contato com a reportagem.

Cauteloso, Jorge Mota evitou se estender sobre o caso antes de embarcar para o Rio de Janeiro, mas se mostrou confiante em obter êxito no embate extracampo com o arquirrival.

“A expectativa é que prevaleça o nosso entendimento, até porque não houve esses campeonatos, já que na época nem sequer havia a Federação Cearense de Futebol”, contesta o dirigente, que era o advogado do clube no julgamento de 2008, no TJDF, e foi responsável por recorrer ao Superior Tribunal no ano seguinte. (Colaborou Afonso Ribeiro)

Chamusca abre disputa por vaga  no ataque

Enquanto o departamento jurídico volta as atenções para o julgamento no STJD, o técnico Marcelo Chamusca trabalha a equipe para a partida de volta contra o Icasa, no domingo, às 16h, no Castelão, pela semifinal do Campeonato Cearense.

Com treinos em dois períodos ontem, o comandante tricolor mostrou que a disputa pela camisa 9 está aberta, dando chance aos dois centroavantes, que marcaram na vitória por 2 a 1 no Romeirão.

Titular nos dois últimos jogos e autor de quatro gols em 2015, Cássio vê a vaga ameaçada por Lúcio Maranhão, antigo dono da posição e que já balançou as redes três vezes na temporada.

Fonte: diário do Nordeste